REGIÃO

Especificidade da área geográfica de produção

 

Tendo em conta o ecossistema integrado na região, o conhecimento secular das técnicas de pastorícia, as condições climáticas requeridas para a transformação e maturação do queijo, o microclima especial, o saber fazer secularmente demonstrado, a existência de métodos locais, leais e constantes, a obrigação de defender o consumidor contra fraudes e induções em erro, a necessidade de proceder ao controlo de todas as operações e a obrigação de garantir a rastreabilidade do produto, ao longo de todo o processo produtivo, a área geográfica de produção e transformação das matérias-primas e de maturação, armazenagem prolongada, corte e acondicionamento do queijo está circunscrita aos concelhos de Carregal do Sal, Celorico da Beira, Fornos de Algodres, Gouveia, Mangualde, Manteigas, Nelas, Oliveira do Hospital, Penalva do Castelo, Seia, Aguiar da Beira, Arganil, Covilhã, Guarda, Tábua, Tondela, Trancoso e Viseu, nos distritos de Viseu, Coimbra, Guarda e Castelo Branco.

Visite e preste homenagem às nossas queijarias e pastores.
Bem-haja…

Imagem Exemplo

Relação entre a área geográfica e a qualidade do produto

Toda a região assenta no grande planalto beirão, com condições agro-climáticas traduzidas por invernos frios, chuvosos e prolongados, por vezes com neve e verões quentes e secos. As pastagens naturais são constituídas por gramíneas vivazes espontâneas e as pastagens cultivadas à base de trevo branco e trevos subterrâneos, conferem ao leite de ovelha e ao queijo, características sápidas únicas. A região e os queijos nela  produzidos já eram referidos em textos escritos por autores Romanos, sendo também citado como alimento de eleição das caravelas dos Descobrimentos e em peças de teatro do séc. XVI. A relação com a origem é ainda fortalecida pelo facto de o leite ser exclusivamente provenientes de ovelhas de raças locais (Serra da Estrela e Churra Mondegueira).

 (…) o Queijo da Serra. A pasta é tão fina como não conhecemos outra da mesma categoria na Europa.”

António Maria de Oliveira Bello (Olleboma)

Fundador da Sociedade Portuguesa de Gastronomia, presidente da Sociedade Portuguesa de Ciências Naturais, epicurista por natureza, consagrou-se como um dos maiores gastrónomos portugueses. Um grande impulsionador da culinária nacional.